EletricidadeGrandeza Elétrica

O que é kVA?

Vamos entender um pouco o que significa o kVA!

Com certeza você já ouviu falar em watts, a potência ativa que gera o trabalho de energia em si – mas para quem lida com manutenção elétrica ou serviços de geradores deve se habituar a outras três letrinhas: o kVA, também conhecido como quilovolt-ampere. Na verdade, cada kVA é uma medida equivalente a 10³ volt-ampere (1 KVA = 1000 VA) e é uma potência aparente, ou seja, teórica, sendo a soma vetorial entre a potência ativa dos watts e a potência reativa a unidade de magnetização e de capacidade de um gerador de energia.

O que acontece é que os motores elétricos na verdade precisam de dois tipos de energia, a ativa – aquela referente ao trabalho desenvolvido e a de perdas resultantes de atritos entre peças e de seu próprio aquecimento – e a reativa, a energia que não é consumida e que produz o campo magnético com o qual o motor trabalha. Portanto, os motores elétricos necessitam, na realidade, que seja fornecida mais potência (aparente) do que a que ele consome (ativa).

O kVA é a tensão x corrente – mas não é a soma aritmética das potências reativa e ativa. O cálculo correto do kVA é essencial, portanto, para o dimensionamento adequado dos sistemas elétricos para atender à demanda.

Ainda que para o consumidor final ela não seja tão importante uma vez que eletrônicos e eletrodomésticos, por exemplo já venham dimensionados com baixa energia reativa, o kVA deve receber especial atenção de quem trabalha com transformadores de energia e grupos geradores, tornando-se prioridade em lugares onde há grande concentração de equipamentos que consomem energia.

É também por isso, portanto, que as agências fornecedoras de energia cobram dos grandes consumidores tanto a energia aparente kVA fornecida quanto a potência ativa em watts. Assim, devido às cargas indutivas das bobinas de fio de cobre do núcleo, os transformadores de distribuição têm sua capacidade de potência apresentada em kVA: eles precisam do campo eletromagnético para funcionar, circulando entre a rede elétrica e a bobina, o que exige essa corrente adicional.

A alta tecnologia presente nos equipamentos de ponta já é capaz de reduzir significativamente a corrente reativa circulante, mas ainda não é capaz de eliminá-la, mantendo-se essencial para o funcionamento da bobina. Na verdade cada transformador pode ser formado por várias bobinas – também conhecidas pelo curioso nome de “panquecas” – e são essas correntes reativas as responsáveis pelos chamados “arcos elétricos” presentes nas manobras dos equipamentos do sistema.

A forma de escrever essa unidade de medida que sempre gera dúvida. O “k” é representado com letra minúscula. Já o “VA” é representado com letra maiúscula.

Você sabe o porquê?

O “VA” (Volt-Ampère) – se refere a ao sobrenome de pessoas, ou seja, são homenagens a pessoas que contribuíram para a ciência com seus estudos. Já o “K” é apenas uma unidade de medida, que tem valor 1000.

Volt é uma homenagem a Alessandro Volta. Volta desenvolveu a tão falada pilha voltaica, um predecessor da bateria elétrica.

Ampère é uma homenagem ao físico francês André-Marie Ampère (1775-1836). André-Marie Ampère foi um físico, filósofo, cientista e matemático francês que fez importantes contribuições para o estudo do eletro magnetismo.

kVA é a medida da potência aparente. A potência aparente é a soma da potência ativa (kW) e da potência reativa. Observe o copo de Chopp: A espuma é a potência reativa e o líquido é a potência ativa. A potência aparente é a taça cheia, ou seja, a soma da potência ativa e reativa.

Tags
Mostre mais

João Marcelo

Eletrotécnico, Eletrônico, Eletricista, Entusiasta e um amante de Tecnologia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Pode lhe interessar

Close
Close
000webhost logo